jusbrasil.com.br
2 de Dezembro de 2016
    Adicione tópicos

    TJ-MG : 100000028360620001 MG 1.0000.00.283606-2/000(1)

    POLÍTICO-ADMINISTRATIVO - COMISSÃO PROCESSANTE - VEREADOR DENUNCIANTE IMPEDIDO DE VOTAR SOBRE A DENÚNCIA E DE INTEGRÁ-LA - REPRESENTAÇÃO À PROCURADORIA DE JUSTIÇA DE FATO DIVERSO AO QUE SE DISCUTE NOS AUTOS DA REFERIDA COMISSÃO - INEXISTÊNCIA DE SUSPEIÇÃO DOS EDIS PARA PROFERIMENTO DE DECISÃO ACERCA DA CASSAÇÃO DE MANDATO DO PREFEITO - CERCEAMENTO DE DEFESA - LEITURA E SUBMISSÃO DO TEXTO DA DENÚNCIA AO PLENÁRIO DA CÂMARA MUNICIPAL - CIÊNCIA DO DENUNCIADO - APRESENTAÇÃO DE DEFESA PRÉVIA - INEXISTÊNCIA - INTELIGÊNCIA DO ART. , I, DO DECRETO-LEI 201/67.

    Tribunal de Justiça de Minas Gerais
    há 13 anos
    Processo
    100000028360620001 MG 1.0000.00.283606-2/000(1)
    Publicação
    12/09/2003
    Julgamento
    24 de Fevereiro de 2003
    Relator
    DORIVAL GUIMARÃES PEREIRA

    Ementa

    POLÍTICO-ADMINISTRATIVO - COMISSÃO PROCESSANTE - VEREADOR DENUNCIANTE IMPEDIDO DE VOTAR SOBRE A DENÚNCIA E DE INTEGRÁ-LA - REPRESENTAÇÃO À PROCURADORIA DE JUSTIÇA DE FATO DIVERSO AO QUE SE DISCUTE NOS AUTOS DA REFERIDA COMISSÃO - INEXISTÊNCIA DE SUSPEIÇÃO DOS EDIS PARA PROFERIMENTO DE DECISÃO ACERCA DA CASSAÇÃO DE MANDATO DO PREFEITO - CERCEAMENTO DE DEFESA - LEITURA E SUBMISSÃO DO TEXTO DA DENÚNCIA AO PLENÁRIO DA CÂMARA MUNICIPAL - CIÊNCIA DO DENUNCIADO - APRESENTAÇÃO DE DEFESA PRÉVIA - INEXISTÊNCIA - INTELIGÊNCIA DO ART. , I, DO DECRETO-LEI 201/67.

    Em se tratando de processo político-administrativo, o Vereador ficará impedido de votar sobre a denúncia e de integrar a competente Comissão Processante, se for ele o denunciante, nos termos da Lei de Regência. Feita representação à Procuradoria de Justiça pelos Vereadores de fato diverso ao que se discute nos autos da Comissão Processante, não podem os Edis ser considerados suspeitos, para o proferimento da decisão acerca da cassação ou não de mandato eletivo do Prefeito Municipal. Não há que se falar em cerceamento de defesa do denunciado, quando há documentos suficientes nos autos comprovando, expressamente, a leitura e submissão do texto da denúncia ao Plenário da Câmara Municipal, pelo que dele tomou ciência o denunciado, na medida em que, inclusive, apresentou defesa prévia.

    Veja essa decisão na íntegra
    É gratuito. Basta se cadastrar.
    Disponível em: http://tj-mg.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/5803426/100000028360620001-mg-1000000283606-2-000-1

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)