jusbrasil.com.br
23 de Janeiro de 2019
2º Grau

Tribunal de Justiça de Minas Gerais TJ-MG - Ap Cível/Reex Necessário : AC 10024130242993001 MG - Inteiro Teor

Tribunal de Justiça de Minas Gerais
há 5 anos
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

TJ-MG_AC_10024130242993001_33460.pdf
DOWNLOAD




EMENTA: APELAÇÃO CÍVEL. REEXAME NECESSÁRIO. ADMINISTRATIVO. SERVIDOR PÚBLICO MILITAR ESTADUAL. FÉRIAS PRÊMIO ADQUIRIDAS EM PERÍODO POSTERIOR A 29.02.2004 E NÃO GOZADAS. DIREITO À INDENIZAÇÃO QUANDO DA REFORMA. PRINCÍPIO QUE VEDA O ENRIQUECIMENTO SEM CAUSA. APLICAÇÃO DO ÍNDICE DE IPCA PARA CORREÇÃO MONETÁRIA. JUROS DE MORA APLICADOS COM BASE NOS ÍNDICES DA CADERNETA DE POUPANÇA. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. RECURSO PARCIALMENTE PROVIDO. SENTENÇA PARCIALMENTE REFORMADA.

1. O legislador constituinte estadual conferiu ao servidor o direito de usufruir férias de três meses a cada período de cinco anos de efetivo exercício no serviço público (art. 31, § 4º, da Constituição Estadual), de forma que a ausência de gozo desse direito pelo servidor gera, quando da aposentadoria, direito à indenização.

2. A conversão das férias-prêmio em espécie tem natureza indenizatória, independente da constatação de indeferimento ou não do seu gozo pela Administração; assim, se o servidor adquiriu direito ao gozo de férias prêmio, mas não as usufruiu, seja por opção ou em razão da necessidade do serviço, faz jus à indenização.

3. A norma inserta no art. 117, do ADCT, da Constituição Estadual, ao assegurar a conversão apenas das férias prêmio adquiridas até 29.02.2004, não pode ser interpretada como vedação ao recebimento das férias-prêmio posteriormente adquiridas, pois sendo direito potestativo do servidor, sua aposentadoria não lhe retira o direito de ser indenizado pelas férias não gozadas, sob pena de enriquecimento ilícito da Administração Pública em detrimento do servidor.

4. Em razão do julgamento do REsp nº 1.270.439/PR, Rel. Min. CASTRO MEIRA, submetido à sistemática dos recursos repetitivos (art. 543-C do CPC), deve ser aplicado o índice do IPCA, por ser o que melhor reflete a inflação acumulada do período. Os juros de mora aplicáveis devem ser os mesmos aplicados à caderneta de poupança, conforme Lei 11.960/09.

5. Vencida a Fazenda Pública, os honorários advocatícios devem ser arbitrados por equidade, devendo ser levado em consideração, no caso dos autos, a complexidade da demanda.

AP CÍVEL/REEX NECESSÁRIO Nº 1.0024.13.024299-3/001 - COMARCA DE BELO HORIZONTE - REMETENTE.: JD 3 V FAZ COMARCA BELO HORIZONTE - APELANTE (S): ESTADO DE MINAS GERAIS - APELADO (A)(S): MAURÍCIO DE ASSIS MOREIRA

A C Ó R D Ã O

Vistos etc., acorda, em Turma, a 8ª CÂMARA CÍVEL do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais, na conformidade da ata dos julgamentos, em DAR PARCIAL PROVIMENTO AO RECURSO E REFORMAR PARCIALMENTE A SENTENÇA EM REEXAME NECESSÁRIO.

DES. BITENCOURT MARCONDES

RELATOR.

DES. BITENCOURT MARCONDES V O T O

Trata-se de recurso de apelação interposto pelo ESTADO DE MINAS GERAIS em face da r. sentença proferida pela MM. Juíza de Direito ROSIMERE DAS GRAÇAS DO COUTO, da 3ª Vara da Fazenda Pública Estadual e Autarquias de Belo Horizonte, que, em sede de ação ordinária proposta por MAURÍCIO DE ASSIS MOREIRA, julgou procedente o pedido de pagamento de férias-prêmio não gozadas.

Pleiteia a reforma da sentença, alegando que o autor foi reformado após a vigência da Emenda Constitucional nº 53/2003, e que o artigo 117 do ADTC ressalva o direito de conversão em espécie somente das férias prêmio não gozadas até 29/02/2004, o que não seria aplicável ao apelado.

Pugna pela reforma dos consectários legais, para que sejam aplicadas as disposições do artigo 1ºF da Lei 9494/97, com redação dada pela Lei 11.960/09.

Requer a redução da condenação em honorários advocatícios.

Contrarrazões apresentadas às f. 57/68.

É o relatório.

Conheço do recurso, pois presentes os pressupostos intrínsecos e extrínsecos de admissibilidade.

I - DO OBJETO DO RECURSO

A) DO DIREITO À INDENIZAÇÃO PELAS FÉRIAS PRÊMIO NÃO GOZADAS

A presente ação ordinária foi proposta pleiteando o pagamento de indenização referente ao período de férias prêmio não gozadas (6º lustro), em razão da reforma do servidor, ocorrida em 20/07/2011.

O MM. Juiz a quo julgou procedente o pedido formulado, sob os seguintes fundamentos:

(...) Destaque-se que o autor foi aposentado compulsoriamente, após trinta anos de serviço, segundo comprova o documento de f. 15, sem ter oportunidade de gozar o último período de férias prêmio adquirido.

Conclui-se, portanto, que se o servidor trabalhou durante o período das férias prêmio, impõe-se o dever de indenização pelo serviço prestado por ele, sob pena de se caracterizar o locupletamento ilícito por parte do Estado.

Tendo havido a supressão da norma da Constituição Estadual que possibilitava a conversão do benefício em espécie ao instituto das férias prêmio, deverá ser conferida interpretação no sentido de que não é possível impedir ao servidor que não usufruiu do benefício o direito de receber o pagamento do valor a ele correspondente.

No caso dos autos, os documentos que instruem o processo demonstram que a parte autora tem três meses de férias prêmio não gozados.

Assim, uma vez concedida a aposentadoria à parte requerente sem que lhe tenha sido dada a oportunidade do gozo do período de férias prêmio remanescentes, ocorreu por parte do ente estatal uma omissão, resultando como conseqüência no direito do servidor à indenização pelo benefício em questão.

(...)

Assim, entendo que tendo estado demonstrada a existência de saldo em favor do servidor relativo às férias prêmio adquiridas e não gozadas e já estando ele aposentado, haverá de ser-lhe reconhecido o direito ao ressarcimento correspondente, para que seja evitado o enriquecimento ilícito por parte da Administração, em prejuízo do servidor. (f. 41)

O cerne da questão litigiosa consiste em verificar a existência do direito à percepção de indenização pelas férias prêmio adquiridas e não gozadas pelo autor, servidor dos quadros do ESTADO DE MINAS GERAIS em razão de sua aposentadoria.

O direito do servidor público à conversão das férias prêmio em espécie, quando da aposentadoria, era assegurado na Constituição Estadual, conforme disposição expressa do art. 31, inciso II, com a redação dada pela Emenda Constitucional nº 48/00, verbis:

Art. 31. O Estado assegurará ao servidor público civil os direitos previstos no art. , incisos IV, VII, VIII, IX, XII, XIII, XV a XX, XXII, XXX da Constituição da República, e os que, nos termos da lei, visem à melhoria de sua condição social e da produtividade no serviço público, especialmente:

(...) II - férias-prêmio, com duração de três meses a cada cinco anos de efetivo exercício no serviço público do Estado de Minas Gerais, admitida sua conversão em espécie, paga a título de indenização, quando da aposentadoria ou a contagem em dobro das não gozadas para fins de percepção de adicionais por tempo de serviço". (grifo nosso).

Com a promulgação da Emenda Constitucional nº577/03, fora suprimida do texto da norma constitucional a possibilidade de conversão das férias prêmio em espécie, nos termos do disposto no§ 4ºº, do art.311, verbis:

Art. 31 - O Estado assegurará ao servidor público civil da Administração Pública direta, autárquica e fundacional os direitos previstos no art. , incisos IV, VII, VIII, IX, XII, XIII, XV, XVI, XVII, XVIII, XIX, XX, XXII e XXX, da Constituição da República e os que, nos termos da lei, visem à melhoria de sua condição social e da produtividade e da eficiência no serviço público, em especial o prêmio por produtividade e o adicional de desempenho: § 4º - Serão concedidas ao servidor ocupante de cargo de provimento efetivo e função pública férias-prêmio com duração de três meses a cada cinco anos de efetivo exercício no serviço público do Estado de Minas Gerais.

Por sua vez, a norma inserta no art. 117, do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, garantiu ao servidor, quando da passagem para a inatividade, o direito de converter em espécie as férias-prêmio adquiridas até 29 de fevereiro de 2004 e não gozadas.

Em virtude da fixação desse limite temporal, o Estado de Minas Gerais resiste à pretensão do autor em receber indenização relativa ao saldo remanescente de três meses a título de férias-prêmio adquiridas, o que ocorreu após 29/02/2004.

Assim, a solução da lide está na verificação do direito à percepção da indenização relativa às férias prêmios adquiridas após fevereiro de 2004 e não gozadas pelo servidor até o momento de sua aposentadoria.

Nesse contexto, vislumbro que o fato de a legislação estadual não prever, expressamente, o direito à conversão das férias prêmio em espécie não representa empeço ao recebimento desse valor, a título de indenização, quando do rompimento do vínculo jurídico-profissional existente entre o servidor e a Administração, seja e...