jusbrasil.com.br
3 de Dezembro de 2021
2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal de Justiça de Minas Gerais
há 3 anos
Detalhes da Jurisprudência
Processo
AGEPN 10408090236691003 MG
Publicação
23/07/2018
Julgamento
12 de Julho de 2018
Relator
Renato Martins Jacob
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor



EMENTA: AGRAVO EM EXECUÇÃO. RECURSO DO MINISTÉRIO PÚBLICO. FALTA GRAVE. ATRASO NO RETORNO AO ESTABELECIMENTO PRISIONAL. INTENÇÃO DE FUGA NÃO DEMONSTRADA. JUSTIFICATIVA VEROSSÍMIL. DECISÃO MANTIDA.

- Não caracteriza falta grave o retorno ao estabelecimento prisional de réu em regime semiaberto, com atraso de apenas algumas horas, sobretudo quando há comparecimento espontâneo e apresentação de justificativa idônea. Precedentes.

AGRAVO EM EXECUÇÃO PENAL Nº 1.0408.09.023669-1/003 - COMARCA DE MATIAS BARBOSA - AGRAVANTE (S): MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS - AGRAVADO (A)(S): EDSON PEREIRA DA SILVA

A C Ó R D Ã O

Vistos etc., acorda, em Turma, a 2ª CÂMARA CRIMINAL do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais, na conformidade da ata dos julgamentos, em negar provimento ao recurso.

DES. RENATO MARTINS JACOB

RELATOR.





DES. RENATO MARTINS JACOB (RELATOR)



V O T O

Cuida-se de agravo interposto pelo MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS em face da respeitável decisão de fl. 39, que, acolhendo a justificativa apresentada pelo recuperando E.P.S, não reconheceu a prática de falta grave.

Nas razões de fls. 03/10, a combativa Promotora de Justiça pede a reforma do decisum, afirmando que o sentenciado não retornou para o pernoite no dia 10/04/2017 e apresentou justificativa inidônea. Afirma que houve descumprimento das condições da autorização de saída para o trabalho externo, o que caracteriza falta grave, passível de regressão de regime.

Contrariedade deduzida às fls. 47/50.

Na fase do artigo 589 do Código de Processo Penal, a decisão foi integralmente mantida, conforme se vê às fls. 51/52.

A douta Procuradoria-Geral de Justiça manifestou-se às fls. 61/64, opinando pelo provimento do agravo.

É o sucinto relatório. Passo a votar.

Presentes os pressupostos de admissibilidade, conheço do agravo, adiantando que a pretensão do Ministério Público não merece guarida, data venia.

O agravado cumpre pena de 14 (quatorze) anos de reclusão, pela prática do crime previsto no artigo 121, § 2º, II e IV, do Código Penal (fls. 42/43). Estava em regime semiaberto e possuía autorização para o trabalho externo, mas no dia 10/04/2014 não retornou para o pernoite, apresentando-se ao estabelecimento prisional apenas no dia seguinte, às sete horas da manhã.

Foi-lhe imputada a prática de falta grave, mas o douto Juízo a quo acolheu a justificativa e julgou improcedente a falta, contra o que se insurge o Ministério Público.

Data venia, agiu com acerto a nobre Julgadora de primeiro grau.

Reconheço que o agravado deixou de se apresentar no estabelecimento prisional no dia 10/04/2017. Contudo, apresentou justificativa plausível, afirmando que levou um tombo de moto em Três Rios, onde trabalhava, e como estava com muita dor chegou à cadeia no dia seguinte. Afirmou que foi levado a atendimento médico em Matias Barbosa, tendo sido encaminhado posteriormente para Juiz de Fora (fl. 30).

Tal alegação é crível, tendo em vista os documentos de fls. 33/38v, que, embora retratem atendimento alguns dias depois do fato, evidenciam que o sentenciado realmente esteve sob cuidados médicos em Matias Barbosa e Juiz de Fora (traumatologia e ortopedia).

Ademais, agravado retornou ao presídio no dia seguinte, logo pela manhã e de forma espontânea, o que demonstra que não teve a intenção de fugir ou frustrar a execução de sua pena, mediante descumprimento das regras do trabalho externo.

Dessa forma, entendo que o atraso do recuperando não significa ausência de responsabilidade ou indisciplina, razão pela qual seria mesmo desproporcional o reconhecimento da falta grave.

Em casos semelhantes, já decidiu este Tribunal de Justiça:

"AGRAVO EM EXECUÇÃO PENAL - REGIME SEMIABERTO - SAÍDAS TEMPORÁRIAS - RETORNO COM UM DIA DE ATRASO - APRESENTAÇÃO ESPONTÂNEA - JUSTIFICATIVA IDÔNEA - NÃO CARACTERIZAÇÃO DE FUGA - IINVIABILIDADE DE RECONHECIMENTO DE FALTA GRAVE - RECURSO NÃO PROVIDO. - O retorno ao estabelecimento prisional com atraso de apenas um dia, após o gozo de saídas temporárias, com apresentação espontânea e justificativa idônea, não caracteriza falta grave, consistente em fuga, nos termos do art. 50, II, da LEP" (TJMG. Agravo em Execução Penal 1.0105.05.160619-9/002, Relator Des. Herbert Carneiro, 4ª CÂMARA CRIMINAL, j. 28/09/2011).

"AGRAVO EM EXECUÇÃO - NULIDADE DA DECISÃO ANTE AUSÊNCIA DE FUNDAMENTAÇÃO - PRELIMINAR REJEITADA - ATRASO DE UM DIA AO RETORNO DA SAÍDA TEMPORÁRIA - FALTA GRAVE NÃO CONFIGURADA A ENSEJAR A REGRESSÃO DE REGIME - REVOGAÇÃO DA PROGRESSÃO DE REGIME PRISIONAL - IMPOSSIBILIDADE. Não é nula a decisão que se encontra devidamente fundamentada, mesmo que de maneira sucinta, através de um raciocínio preciso e concatenado diante das argumentações apresentadas pelo órgão ministerial. Apresenta contra-producente ao objetivo da execução penal a determinação da regressão de regime prisional em desfavor do agravado que atrasou apenas um dia na apresentação ao estabelecimento prisional quando retornara da saída temporária. Correta a decisão que concedeu ao recuperando progressão de regime prisional para o aberto, por preencher os requisitos autorizadores da concessão deste benefício. Rejeição da preliminar arguida e desprovimento ao recurso são medidas que se impõem" (TJMG. Agravo em Execução Penal n.º 1.0231.05.048908-8/001, 3ª Câmara Criminal, Rel. Des. Antônio Carlos Cruvinel, j. 05/10/2010).

Destarte, com fincas no princípio da proporcionalidade e considerando que a execução penal tem como um de seus objetivos a reintegração gradual do condenado à sociedade, impõe-se a integral manutenção da respeitável decisão hostilizada.

Mercê de tais considerações, nego provimento ao recurso.

Custas pelo Estado.





<>

JD CONVOCADO GLAUCO FERNANDES - De acordo com o (a) Relator (a).

DES. MATHEUS CHAVES JARDIM - De acordo com o (a) Relator (a).



SÚMULA: "NEGARAM PROVIMENTO AO RECURSO"
Disponível em: https://tj-mg.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/915826749/agravo-em-execucao-penal-agepn-10408090236691003-mg/inteiro-teor-915826863

Informações relacionadas

Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul TJ-MS - Agravo de Execução Penal : EP 0006003-67.2014.8.12.0002 MS 0006003-67.2014.8.12.0002

Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul TJ-MS - Agravo de Execução Penal : EP 0006003-67.2014.8.12.0002 MS 0006003-67.2014.8.12.0002

Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul TJ-MS - Habeas Corpus : HC 1424 MS 2007.001424-4