jusbrasil.com.br
1 de Julho de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal de Justiça de Minas Gerais TJ-MG - Apelação Cível: AC 028XXXX-13.2003.8.13.0521 Ponte Nova

Tribunal de Justiça de Minas Gerais
há 12 anos

Detalhes da Jurisprudência

Órgão Julgador

Câmaras Cíveis Isoladas / 10ª CÂMARA CÍVEL

Publicação

12/03/2010

Julgamento

9 de Fevereiro de 2010

Relator

Gutemberg da Mota e Silva
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Ementa

APELAÇÃO CÍVEL - DISSOLUÇÃO DE CONDOMÍNIO COM PAGAMENTO DE ALUGUÉIS - OCUPAÇÃO DO IMÓVEL POR EMPRESA - RESPONSABILIDADE DA EMPRESA - POSSE DE MÁ-FÉ DA OCUPANTE - BENFEITORIAS ÚTEIS NÃO INDENIZÁVEIS - OBRAS QUE COMPENSAM OS PROPRIETÁRIOS PELA PRIVAÇÃO DO USO DO BEM DURANTE A POSSE DE MÁ-FÉ - ALUGUÉIS INDEVIDOS. APELAÇÃO CÍVEL - DISSOLUÇÃO DE CONDOMÍNIO COM PAGAMENTO DE ALUGUÉIS - OCUPAÇÃO DO IMÓVEL POR EMPRESA - RESPONSABILIDADE DA EMPRESA - POSSE DE MÁ-FÉ DA OCUPANTE - BENFEITORIAS ÚTEIS NÃO INDENIZÁVEIS - OBRAS QUE COMPENSAM OS PROPRIETÁRIOS PELA PRIVAÇÃO DO USO DO BEM DURANTE A POSSE DE MÁ-FÉ - ALUGUÉIS INDEVIDOS.

APELAÇÃO CÍVEL - DISSOLUÇÃO DE CONDOMÍNIO COM PAGAMENTO DE ALUGUÉIS - OCUPAÇÃO DO IMÓVEL POR EMPRESA - RESPONSABILIDADE DA EMPRESA - POSSE DE MÁ-FÉ DA OCUPANTE - BENFEITORIAS ÚTEIS NÃO INDENIZÁVEIS - OBRAS QUE COMPENSAM OS PROPRIETÁRIOS PELA PRIVAÇÃO DO USO DO BEM DURANTE A POSSE DE MÁ-FÉ - ALUGUÉIS INDEVIDOS. APELAÇÃO CÍVEL - DISSOLUÇÃO DE CONDOMÍNIO COM PAGAMENTO DE ALUGUÉIS - OCUPAÇÃO DO IMÓVEL POR EMPRESA -- RESPONSABILIDADE DA EMPRESA - POSSE DE MÁ-FÉ DA OCUPANTE - BENFEITORIAS ÚTEIS NÃO INDENIZÁVEIS - OBRAS QUE COMPENSAM OS PROPRIETÁRIOS PELA PRIVAÇÃO DO USO DO BEM DURANTE A POSSE DE MÁ-FÉ - ALUGUÉIS INDEVIDOS. Quem ocupa imóvel de má-fé deve desocupá-lo sem indenização pelas benfeitorias úteis e voluptuárias, obras que servirão de compensação aos proprietários que se viram impossibilitados de usufruir do seu bem durante o período da mencionada posse. Como a não indenização do possuidor de má-fé pelas obras dispensáveis realizadas no bem possuído compensa os proprietários pelo tempo de privação do seu uso, descabe a condenação do ocupante ao pagamento de aluguéis a título de indenização pela fruição. Primeiro e segundo apelos providos.
Disponível em: https://tj-mg.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/939787783/apelacao-civel-ac-10521030282557001-ponte-nova

Informações relacionadas

Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro
Jurisprudênciahá 4 anos

Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro TJ-RJ - APELAÇÃO: APL 001XXXX-90.2015.8.19.0068 RIO DE JANEIRO RIO DAS OSTRAS 1 VARA

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 5 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL: AgRg no AREsp 218281 PR 2012/0172407-2

Tribunal de Justiça de Minas Gerais
Jurisprudênciahá 5 meses

Tribunal de Justiça de Minas Gerais TJ-MG - Apelação Cível: AC 023XXXX-31.2008.8.13.0086 Brasília de Minas

Tribunal de Justiça de Minas Gerais
Jurisprudênciahá 10 meses

Tribunal de Justiça de Minas Gerais TJ-MG - Apelação Cível: AC 003XXXX-46.2017.8.13.0358 Jequitinhonha

Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro
Jurisprudênciahá 11 anos

Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro TJ-RJ - AGRAVO DE INSTRUMENTO: AI 003XXXX-61.2011.8.19.0000