jusbrasil.com.br
24 de Outubro de 2021
2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal de Justiça de Minas Gerais TJ-MG - Apelação Cível : AC 0095965-98.2011.8.13.0707 Varginha

Tribunal de Justiça de Minas Gerais
há 9 anos
Detalhes da Jurisprudência
Órgão Julgador
Câmaras Cíveis Isoladas / 12ª CÂMARA CÍVEL
Publicação
29/05/2012
Julgamento
23 de Maio de 2012
Relator
Alvimar de Ávila
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Ementa

EMENTA: AÇÃO DE REVISÃO DE CONTRATO - PROVA PREICIAL - DESNECESSIDADE - CERCEAMENTO DE DEFESA - INOCORRÊNCIA - INSTITUIÇÃO FINANCEIRA - APLICAÇÃO DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR- CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO - JUROS REMUNERATÓRIOS LIMITADOS À TAXA MÉDIA DO MERCADO - CAPITALIZAÇÃO MENSAL DE JUROS - LEGALIDADE - TARIFA DE CADASTRO - LEGALIDADE - DESPESAS COM SERVIÇOS DE TERCEIRO, REGISTRO DE CONTRATO, AVALIAÇÃO DO BEM - ABUSIVIDADE.

- O indeferimento da produção de prova pericial, uma vez evidenciada a sua desnecessidade e inutilidade para a solução da causa, não acarreta cerceamento de defesa - Somente é abusiva a taxa de juros remuneratórios superior à taxa média do mercado, considerada esta 5% (cinco por cento) ao mês - Tratando-se de cédula de crédito bancário, é permitida a capitalização mensal de juros - Merece ser revista a cláusula contratual que prevê a comissão de permanência ajustada de forma incompatível com o verbete da Súmula nº 294 do STJ e indevidamente cumulada com os demais encargos de mora - Desde que contratada, figura-se legítima a cobrança de Tarifa de Cadastro, que remunera o serviço de concessão de crédito prestado pela instituição financeira - A cobrança de despesas com serviços de terceiros, registro de contrato e avaliação do bem é ilegal, pois importa em vantagem exagerada para a instituição financeira, que remunera em dobro seus serviços, violando as normas do artigo 39 e incisos IV e XII do artigo 51 do Código de Defesa do Consumidor - Preliminar rejeitada, primeiro recurso providos em parte e segundo recurso não provido.
Disponível em: https://tj-mg.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/943930104/apelacao-civel-ac-10707110095965001-varginha

Informações relacionadas

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 16 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO ESPECIAL : REsp 699181 MG 2004/0153965-4

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 11 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO ESPECIAL : REsp 1058114 RS 2008/0104144-5

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 12 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - QUESTÃO DE ORDEM NO RECURSO ESPECIAL : QO no REsp 1063343 RS 2008/0128904-9