jusbrasil.com.br
24 de Janeiro de 2022
2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal de Justiça de Minas Gerais TJ-MG - Apelação Cível : AC 0011487-04.2010.8.13.0155 Caxambu

Tribunal de Justiça de Minas Gerais
há 9 anos
Detalhes da Jurisprudência
Órgão Julgador
Câmaras Cíveis Isoladas / 2ª CÂMARA CÍVEL
Publicação
30/08/2012
Julgamento
7 de Agosto de 2012
Relator
Hilda Teixeira da Costa
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Ementa

APELAÇÃO CÍVEL - AÇÃO CIVIL PÚBLICA - ÁREA DE RESERVA LEGAL - AVERBAÇÃO EM ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE - POSSIBILIDADE - ART. 16, § 6º, DA LEI Nº 4.771/65 - COMPENSAÇÃO DE ÁREA DE RESERVA LEGAL - PREVISÃO LEGAL - IMÓVEIS SITUADOS NA MESMA BACIA HIDROGRÁFICA - REFORMA DA SENTENÇA.

A Lei nº 4.771/65 previu a possibilidade de cômputo de áreas de preservação permanente no cálculo do percentual da reserva legal, desde que observados os requisitos do art. 16, § 6ºe incisos. Havendo previsão legal acerca da possibilidade de compensação de área de reserva legal por outra equivalente em importância ecológica e extensão, deve ser julgado procedente o pedido de compensação, uma vez que os imóveis estão situados na mesma bacia hidrográfica, conforme exigido pelo art. 44, IIIe § 4º, da Lei nº 4.771/65. A exigência de registro da reserva legal no Cadastro Ambiental Rural - CAR - para fins de isenção da averbação no Cartório de Registro de Imóveis não se aplica à parte que formulou o pedido de averbação no IEF antes da vigência do Novo Código Florestal, posto que não pode ser prejudicado por exigências inexistentes à época do requerimento. V.V.
Disponível em: https://tj-mg.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/944073820/apelacao-civel-ac-10155100011487001-caxambu